Arquivo do blog

domingo, 27 de setembro de 2015

Post Comemorativo 2



Olá, pessoal!

HOJE 
COMPLETAMOS 2 MESES
33 postagens
Mais de 2.100 visualizações

E para comemorar vim responder algumas perguntas mais frequentes:


1. COMO SURGIU SEU AMOR PELO PEQUENO PRÍNCIPE? 
Foram muitos os fatores que me levaram a amar a obra e o escritor. Resumidamente, li o livro quando já era adulta, numa época em que eu passava por uma fase muito difícil de separação, afastamento de alguns familiares e desafios. Sempre preservei minha criança interior, então a identificação com o Pequeno Príncipe foi imediata. Resolvi pesquisar sobre a obra e a vida do escritor Antoine Saint-Exupéry para entender melhor as mensagens do livro. Quando descobri a pessoa extraordinária que o autor foi e a perseverança dele em cultivar um olhar amoroso (desde a infância), mesmo tendo presenciado duas guerras mundiais, vivenciado conflitos pessoais e tragédias, fiquei a-pai-xo-na-da.

2.QUANDO VOCÊ LEU O LIVRO E O QUE ACHOU DELE?
Li no último ano de faculdade. Não considerava "decente" uma formanda de Letras nunca ter lido a obra (antes tarde do que nunca, não é? rs). Emprestei um exemplar de uma biblioteca e li em casa. Achei bonito, com reflexões relevantes (até então, não despertou nada muito extraordinário - imagino que seja pelo fato de ter sido a primeira leitura e porque eu estava enlouquecida com TCC, estágio, dois empregos ao mesmo tempo, provas e trabalhos).

3. QUAL FOI SEU PRIMEIRO ITEM DO PEQUENO PRÍNCIPE?
Foi a edição pop-up (ganhei de aniversário, em 2013). 


4. QUANDO VOCÊ DECIDIU SER COLECIONADORA?
Com as inúmeras pesquisas fui descobrindo itens raros, interessantes, bonitos e ficava sonhando acordada com aquelas riquezas. Meus primeiros itens foram presentes e alguns eu comprava por curiosidade, sem imaginar que viraria uma coleção. Quando me dei conta os livros e objetos já ocupavam boa parte do armário. 

5. QUAL É O SEU ITEM FAVORITO E POR QUÊ?
A edição pop-up, por ser o primeiro. 

6. TEM ALGUM ITEM QUE VOCÊ NÃO GOSTA, MAS NÃO SE DESFAZ DELE?
Sim! O livro O Retorno do Jovem Príncipe. Não gostei das transformações que o escritor fez com o personagem. Não desfaço dele porque faz parte de uma história (ninguém havia ousado publicar como seria o Pequeno Príncipe crescido).

7. QUAL O ITEM MAIS ANTIGO E O MAIS NOVO DA SUA COLEÇÃO?
O mais antigo (pela data de fabricação, Ano 2009) é a Melissa Adanna (minha paixãoooo!!!) Encontrada, por acaso, num grupo de desapegos: 



O item mais novo (pela data de fabricação e aquisição, Ano 2015) é o livro inspirado na animação do Pequeno Príncipe:



8. POR QUE VOCÊ DECIDIU CRIAR UM BLOG?
Porque durante as minhas pesquisas percebi que era muito difícil encontrar conteúdo confiável e diversificado na internet (o que mais encontrava era o famoso control+c e control+v). Imaginei que mais pessoas passavam por isso e como eu descobri muita coisa interessante sobre o tema, resolvi compartilhar tudo com um público maior, além dos meus amigos.





Gratidão por esses 2 meses e por vocês acreditarem neste projeto, que tem como objetivo principal levar informação aos amantes desta obra universal e atemporal.

Foi um prazer responder às curiosidades dos leitores!


Fotos: Instagram (blog_o_pequeno_principe) 


Beijão, até a próxima!








sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Resenha: Zé Perri - A passagem do Pequeno Príncipe pelo Brasil

Olá, pessoal!

Hoje a resenha é do livro:
"Zé Perri - A passagem do Pequeno Príncipe pelo Brasil"



Descrição:

Autor: Claudio Fragata
Editora: Galera
Gênero: Literatura Juvenil
Páginas: 88
Tamanho: 23cm x 16cm
Ano: 2009

Obra do jornalista e escritor Claudio Fragata, conhecido principalmente por ter sido vencedor do 56° Prêmio Jabuti - maior premiação do mercado editorial brasileiro - e por ter trabalhado em revistas famosas, entre elas: Galileu e Recreio

Fragata narra o que descobriu em sua viagem a Florianópolis sobre o encontro do escritor francês Antoine Saint-Exupéry e o pescador brasileiro Manoel Rafael Inácio (mais conhecido como seu "Deca"). Talvez, por causa da veia jornalística própria do autor, a obra tenha ganhado tons de crônica literária e poesia. 

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se você está surpreso(a) em saber que Saint-Exupéry conheceu o Brasil, não deixe de ler o post que fiz sobre essa história: O Pequeno Príncipe no Brasil

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Antes de narrar o encontro desses dois homens distintos, que se tornaram grandes amigos, o autor buscou fazer um paralelo emocionante sobre as lembranças de infância de cada um deles.


O livro possui uma escrita criativa e cativante. Apesar das 88 páginas, conseguimos facilmente terminar a leitura em menos de 2 horas (que foi o meu caso). A obra traz ainda bonitas ilustrações (em branco e preto) de Rogério Coelho. Observando-as, encontramos muitas pistas sobre o que vamos ler no próximo capítulo. 



O livro possui uma capa firme e duas grandes orelhas. Ótima diagramação. 




Minha opinião:
O livro é comovente, envolvente, singelo e poético. 
De fácil entendimento, agrada diversos públicos! Com simplicidade e objetividade, o autor leva-nos a caminhar nas praias do Campeche, de onde ele conseguiu sentir a presença tanto do aviador, quanto do pescador.  


Nota: APROVADÍSSIMO!!!



Tornou-se um dos meus livros queridinhos! rsrs

Se você gostou dessa resenha creio que vai gostar destas também:



Beijão, até a próxima!








sábado, 19 de setembro de 2015

Novidades nas edições atuais!

Olá, pessoal!
Vocês perceberam alguma diferença nas novas edições do livro O Pequeno Príncipe?

Sim, elas estão diferentes! Além da história e aquarelas conhecidas por todos nós, as editoras estão acrescentando um breve resumo sobre o autor (alguns chamam de caderno de estudos ou posfácio), com fotos raras e curiosidades. 

Essa iniciativa é maravilhosa, pois a leitura do livro estava sendo feita (há muito tempo) de forma rasa, pelo fato da maioria dos leitores desconhecerem detalhes importantes que envolvem a obra (creio que mesmo assim nunca deixou de ser impactante). 

Para um aproveitamento satisfatório, o leitor precisava ter acesso a um pouco do contexto em que o livro foi escrito. Acredite, faz toda a diferença saber de alguns detalhes históricos para compreender melhor as mensagens do autor!


Nada melhor que conhecer um pouco de Antoine Saint-Exupéry para conhecer O Pequeno Príncipe! Então, farei aqui um compilado do conteúdo que encontramos nessas novas edições:


O autor francês nasceu em 1900 (descendente dos Exuperius - "excelente"). Presenciou a 1° e a 2° Guerra Mundial. Perdeu o pai quando ainda era criança e um irmão, quando era um adolescente. Voou pela primeira vez de avião aos 12 anos. Desde pequeno desenhava e escrevia poesias. Gostava de invenções. Tocava violino. Admirava Nietzsche (filósofo alemão). 

De estatura alta, ombros fortes, rosto ainda um pouco infantil, olhos grandes, Antoine era tímido, corajoso, brincalhão, meditativo, viril e doce. Na fase adulta tornou-se aviador civil e militar. Entendia de mecânica de aviões, era matemático, inventor, escritor, ilustrador, poeta e filósofo (talvez sem se dar conta disso). Um ser extraordinário amado por todos! 

Passou alguns anos exilado em Nova York, onde escreveu O Pequeno Príncipe. O poeta aviador (como era conhecido) escreveu outras obras, são elas: O aviador (1926), Correio do Sul (1929), Voo Noturno (1931), Terra dos Homens (1939), Piloto de Guerra (1942), O Pequeno Príncipe (1943) e Carta a um refém (1943).

Saint-Exupéry viu a morte de perto várias vezes, por conta do inúmeros acidentes aéreos que sofreu (inclusive, chegando a ficar em coma por mais de 1 semana  - quase precisou amputar um braço. Em outro episódio chegou a ficar dias perdido no deserto, sem água). Sua bondade e diplomacia eram notadas por todos, o que o levou a ser enviado em missão de resgate de amigos aviadores prisioneiros pelos mouros (povo árabe). Em 1944 saiu em missão de reconhecimento e desapareceu no mar Mediterrâneo. 



Esta foi apenas uma pequena introdução em comparação ao vasto material bibliográfico que está a nossa disposição atualmente. 

Confira algumas das edições que optaram por trazer algum tipo de estudo:






As editoras estão de Parabéns! 
O público merecia conhecer mais sobre este homem indescritivelmente especial! 
Amo muito... e tem como não amar?


Beijão, até a próxima!








sexta-feira, 11 de setembro de 2015

O maior colecionador do mundo!

Olá, pessoal!
Quem é colecionador(a) sabe da paixão que temos pelos nossos artigos! 
Imaginem ter um coleção com mais de 3000 exemplares! 
Esse felizardo existe! Vem conhecê-lo!




Jean-Marc Probst é considerado o maior colecionador do Pequeno Príncipe do mundo. Formado em engenharia e residente em Lausanne (Suíça), Jean-Marc iniciou sua coleção em 1980. Atualmente, ele possui mais de 3.400 edições da obra O Pequeno Príncipe, sem contar os livros sobre o principezinho e outras centenas sobre o autor Antoine Saint-Exupéry.

Tudo começou quando ele leu o livro e gostou. A princípio teve interesse nas versões em alemão, francês e italiano. Certa vez, numa viagem ao Japão, ele se interessou pela versão japonesa e não parou mais de adquirir livros. Jean teve ajuda de amigos e familiares para arrecadar tantas versões diferenciadas. Muitas delas são raríssimas, como os exemplares originais de 1943, com assinatura do escritor. 

A coleção ganhou grandes proporções com a ajuda da internet, leilões e por causa de outros dois colecionadores: Jaume Arbones e Michael Patel.

Na página de Jean-Marc o visitante pode conferir outros artigos da coleção, como: CDs, LPs, DVDs, fitas de áudio e fita cassete, documentos, folhetos, cartazes, entre outros. 

Tecnicamente, essa maravilhosa coleção não pertence mais ao simpático suíço, pois Jean-Marc doou tudo para uma fundação chamada "Fondation Jean-Marc Probst Pour Le Petit Prince", cujo principal objetivo é  assegurar que as obras não se separarem.

Colecionador há 35 anos, Jean-Marc ainda está em busca de exemplares raros. Vocês podem ver quais são os exemplares no próprio site dele.






A coleção é realmente encantadora! 
Dedicar tanto tempo preservando a memória do autor e as edições mais variadas possíveis, entre documentos, áudios, folhetos, revistas etc é garantir que novas gerações tenham o privilégio de conhecer O Pequeno Príncipe a partir de sua gênese. 

Espero que vocês tenham se inspirado e gostado do post!

Beijão, até a próxima!






terça-feira, 8 de setembro de 2015

Resenha: O amor do Pequeno Príncipe

Olá, pessoal!


Hoje a resenha é do livro:
"O amor do Pequeno Príncipe - Cartas a uma desconhecida"




Descrição:

Autor: Antoine Saint-Exupéry
Tradutora: Alcida Barbosa Brant
Editora: Nova Fronteira
Gênero: Biografia/Diários/Memórias
Páginas: 32
Tamanho: 20,5 cm x 27,5cm
Ano: 2009

A primeira coisa importante a saber sobre essa edição é que não se trata da obra O Pequeno Príncipe. O livro traz uma coletânea de cartas amorosas de Saint-Exupéry escritas para uma oficial francesa que ele conheceu numa viagem de trem, quando fazia a travessia de Oran a Argel (capital da Argélia, África do Norte). 



Por meio dessas cartas é perceptível o elo entre o personagem Pequeno Príncipe e o autor. Alguns diálogos são feitos por meio do personagem (podendo ser identificados pelo uso de balões ao lado das figuras), e quando se trata da voz do escritor, é possível identificar ao final da carta a letra "A."

A cada reprodução dos originais em francês (que se encontram no Museu de Cartas e Manuscritos, França) há uma tradução em português.




A identidade da oficial não é revelada nas cartas (geralmente o escritor se refere a ela como "menininha"). No livro encontramos cartas curtas e outras longas, com aquarelas e outras apenas texto. 

Um dos diferenciais dessa edição é que ela foi confeccionada em papel offset 150g/m² amarelo (ao contrário do habitual branco que vemos na maioria dos livros). E a capa confeccionada em papel cartão 250g/m², o que oferece bastante firmeza ao manuseá-lo. Além disso, possui duas orelhas grandes (do tamanho das páginas).  As letras são grandes e a fonte escolhida é confortável para leitura.




A leitura é rápida, porém profunda. O autor se mostra apaixonado, por vezes triste e reflexivo pela falta de retorno da amada. É um livro muito bonito, de qualidade e delicadeza! Porém, creio que cause mais satisfação a quem já conhece o autor e principalmente quem é fã.


Por se tratar de um edição um pouco mais antiga não é tão fácil encontrá-la à venda, mas não é algo impossível de se conseguir.


Nota: APROVADÍSSIMO!!!




Se você gostou dessa resenha creio que vai gostar de ler estas também:

Versão luxo ou pocket?


Beijão, até a próxima!










quinta-feira, 3 de setembro de 2015

O que eu levei dentro da bolsa para assistir ao filme O Pequeno Príncipe?

Olá, pessoal!
Vocês sobreviveram a semana de estreia do filme O Pequeno Príncipe? 
Espero que sim! rs


Eu não ia fazer esse tipo de post! Relutei muito a essa possibilidade, afinal os blogueiros já falaram bastante sobre o filme. Entretanto, cada vez que lia sobre a impressão que o público teve (os que conhecem o livro e os que nunca leram), mais se confirmava a proposta de compartilhar minha experiência inusitada com vocês. 

Então, vem comigo saber como foi minha ida ao cinema, e principalmente o que foi que eu levei na bolsa, hahaha. Adianto que o que eu fiz é coisa de gente muito fã (ou doidinha mesmo, se achar melhor).


Bom, vale lembrar que foram meses de espera para assistir O Pequeno Príncipe no cinema. Acompanhei todas as primeiras notícias que saíam na mídia sobre o filme (todas mesmo). Desde o anúncio da fase de produção, a divulgação do cartaz (ninguém tinha ideia como seria o formato do filme), o primeiro trailer (ainda em francês), a divulgação da música tema do filme (Somewhere only we know - Lily Allen), a lista dos dubladores brasileiros e por aí vai.

Primeiro cartaz de divulgação (lembram?)

A partir da data em que o filme foi exibido na França comecei a preparar o coração para a estreia no Brasil, que estava prevista para Outubro. Passei a seguir todas as redes sociais das empresas que já fizeram parceria com a marca O Pequeno Príncipe (Melissa, Riachuelo, Cacau Show, Jandaia etc), editoras e empresas de fast-food (que tradicionalmente oferecem brindes dos temas de filmes infantis).


Mais ou menos no mês de Maio tive a grata surpresa em saber que a estreia tinha sido antecipada para Agosto 
(mês do meu aniversário, que presentão!) 

Semanas antes da estreia tive alguns problemas (já estava até me conformando com a hipótese de ver o filme apenas quando saísse em DVD). Mas, calma!!! Com ajuda consegui resolver tudo, e meio anestesiada ainda, fomos eu e minha irmã gêmea para o cinema comemorar o nosso aniversário. (Na minha cidade o filme ficou em cartaz apenas 1 semana - um horror - um único final de semana disponível).

Escolhemos uma sessão da tarde!
Tranquilidade total para fotos!




O look estava bem basiquinho (calça jeans azul claro, blusa preta e sandália jeans azul claro). O toque especial ficou por conta da bolsa/tote bag da coleção Pacific com o tema O Pequeno Príncipe (fiz um post sobre essa coleção, se você ainda não viu: Clique aqui!) e da gargantilha prata da Cacau Show com o personagem (fiz um post mostrando a linha de produtos dessa empresa, para ver: Clique aqui!). 

Lembrando que a bolsa grande tinha um propósito! Transportar algo que levei para a sala de cinema kkkk 
Já, já eu conto e mostro foto para vocês! 

Quanto as impressões do filme, eu só posso dizer que AMEI! O que mais me agradou foi a fidelidade a cada palavra escrita no livro (apesar de conter duas histórias paralelas - a da garotinha com uma mãe obsessiva e a do Pequeno Príncipe). Trilha sonora maravilhosa! Qualidade da animação sensacional! A ideia de usar a técnica de stop-motion em 2D para retratar o livro foi a "cereja do bolo", na minha opinião.

O que todo mundo pergunta: você chorou? Não chorei (eu já havia derramado um mar de lágrimas no dia anterior - por motivos pessoais - então eu acho que não tinha muita água disponível), porém o coração apertou várias vezes, principalmente quando os olhos da garotinha se encheram de lágrimas (quase entreguei os pontos nessa hora hahaha)


(Esses olhos são muito expressivos! Os criadores tomaram cuidado com todos os gestos e expressões faciais dela, revelando a pureza da infância).

Teve algo que não gostei? Sim, teve! Achei totalmente desnecessário a "viagem" que a garotinha faz imaginando O Pequeno Príncipe adulto, atrapalhado e com amnésia.

Bom, vocês devem estar curiosos para saber logo o que eu levei na minha bolsa! 
Gente, eu sou muito fã mesmo, não só do personagem, mas principalmente do escritor. Levei comigo a raposinha de pelúcia da Cacau Show. E para minha surpresa (e segundo momento propício para jorrar lágrimas) há cenas no filme em que a garotinha passa a levar a raposinha dela dentro da mochila. Recordo-me que ela foi ao hospital e a escola com sua amiga inseparável, como eu fiz indo ao cinema com minha raposa. 

Espero que vocês tenham gostado do meu relato! Finalizo o post com a foto da minha irmã Fabiana comigo, junto da raposa na sala de cinema (hahaha). E com uma frase do diretor Osborne sobre o filme:

"É um filme sobre como o livro pode mudar sua vida e esse é o espírito do original."




Beijão, até a próxima!









terça-feira, 1 de setembro de 2015

Artigos de decoração + O Pequeno Príncipe

Olá, pessoal!
Que a loja Tok&Stok  tinha uma coleção linda do Pequeno Príncipe todo mundo já sabia! 
Agora, para tudo para ver a nova coleção de artigos de decoração com o tema do novo filme!








Uma peça mais linda que a outra!!!
Só acho que a empresa deveria facilitar a compra pela internet, fica a dica!


Espero que vocês tenham gostado dos lançamentos! Eu ameiii!!!


Beijão, até a próxima!